LibertaGia aliciou entre 1,8 a 3 milhões de investidores

LibertaGia burlou milhões de investidoresFinalmente, dia 8 de agosto de 2015 vai ser marcado como o dia do fim da fraude LibertaGia. O esquema em pirâmide que prometia ganhos de 350% por ano, em troca de visitar sites durante alguns segundos todos os dias. Era uma coisa simples, que qualquer pessoa sem conhecimentos conseguia fazer, por apenas 5 minutos ao dia. Outro esquema de ficar rico rápido!!

A notícia do EL PAÍS ditou o início do fim, do esquema que roubou mais entre 1,8 a 3 milhões de investidores, de 29 países, em menos de dois anos, em 1,070 milhões de euros, de acordo com vários documentos a que o meio de comunicação espanhol teve acesso. A miragem do dinheiro fácil e rápido acabou em agosto de 2014, quando pararam os pagamentos prometidos por esta empresa, que é definida num relatório da Guarda Civil de Espanha como “pirâmide”.

História da fraude LibertaGia

Depois do EL PAÍS publicar a notícia da sua investigação à LibertaGia, a 8 de agosto de 2015, foram vários os meios de comunicação portugueses, que fizeram “eco” dessa investigação. Desde jornais, rádios e canais de TV.

Cristina Vieira, Rui Salvador e Edson Silva formam a cúpula da LibertaGia. Estão em parte incerta! (Fonte: Correio da Manhã)
Cristina Vieira, Rui Salvador e Edson Silva formam a cúpula da LibertaGia. Estão em parte incerta! (Fonte: Correio da Manhã)

Não só os portugueses ficaram a conhecer mais um esquema (montado em Portugal) que rebentou, como, logo depois, a Polícia Judiciária e o Ministério Público confirmaram que estavam a investigar esta burla online.

O português Rui Pires Salvador é o Presidente da LibertaGia. Apresentava-se como um visionário, que afirmava “quero acabar com a probreza!”. Mas não existem provas que o ex-empregado de mesas e motorista de autocarros tenha conseguido isso. Pelo contrário, destruiu as poupanças de muitas pessoas!

A LibertaGia foi criada em outubro de 2013, com escritórios no Parque das Nações (Lisboa), mas contava com uma empresa fantasma registada no paraíso fiscal Bahamas, no número 6 da rua Cumberland de Nassau. Muito provavelmente essa empresa fantasma criada num paraíso fiscal, foi usada para facilitar a lavagem de dinheiro e branqueamento de capitais.

Como é comum neste tipo de esquemas, numa das primeiras apresentações, um advogado da empresa afirmou que a empresa era sólida e tentaram mudar a ideia das pessoas, que isto era um esquema Ponzi, como o esquema criado por Bernard Madoff, que prometia retornos incríveis. Foi anunciado um investimento milionário para pagar aos poupadores e a iminente venda de ações da empresa na Bolsa.

Tudo tretas!

É triste ver que, apesar de muitas pessoas terem sido enganadas, uma pequena parte acaba por denunciar o esquema ou fazer queixa nas autoridades competentes, acreditando que alguma vez vai receber o dinheiro prometido.

Rui Salvador e a sua “turma” já sabiam que isto ia rebentar e ia ser público. Por essa razão, ninguém atende os telefones no escritório de Lisboa, porque já não existe nada no escritório do Parque das Nações, de acordo com a reportagem da TVI.

Burlões desapareceram!

Agora, só resta ao advogado José García Cabrera, da Lemat Advogados, que participa no movimento “Afectados Libertagia”, conseguir recuperar o dinheiro investido. Mais de 500 afetados de Espanha, Colômbia, Rússia, Nicarágua, Peru e Chile juntaram-se à acusação particular iniciada pelo advogado.

Quem são os donos da fraude LibertaGia?

Este e outros esquemas em pirâmide que já tive a oportunidade de analisar, são na sua maior parte criados por burlões profissionais, que fazem disto vida. Por essa razão, não dão a cara ou usam “testas de ferro”, que em troca de uma comissão milionária aceitam fazer o trabalho “sujo”.

Neste caso, um ex-diretor da empresa, garante que Rui Salvador, presidente da LibertaGia, vive com os seus três filhos numa casa de luxo nos arredores de Lisboa. Provavelmente foi comprada com dinheiro das vítimas. Ninguém enriquece da noite para o dia!!

Ainda a mesma fonte, reconhece que havia um grupo de investidores brasileiros por detrás, chamados de G12. São faraósinventores de esquemas piramidais –  que fugiram do Brasil depois do endurecimento das leis naquele país, pelo caso TelexFree e outros. O próprio Rui Salvador no passado pertenceu à BBOM, uma empresa bloqueada no Brasil por ser um esquema em pirâmide.

Isto é mais um dos muitos esquemas fraudulentos disfarçados de marketing multinível ou investimento, para o qual já tinha alertado.

Não sou nenhum vidente do futuro. Apenas sei distinguir um negócio sério, de uma fraude que promete ganhos astronómicos, sem fazer nada ou com uma tarefa diária que qualquer pessoa consegue fazer.

Tem cuidado com os burlões do multinível!

Extra 14/09/2015: O canal de TV português SIC emitiu uma reportagem sobre a LibertaGia, onde falou com a Cristina Vieira, um dos cúmplices do esquema, e conseguiu falar com várias vítimas que investiram muito dinheiro.